Perante um acidente, a primeira medida a tomar é averiguar a segurança do local, depois, avaliar as lesões e, por fim, estabelecer um plano de ação. Qualquer que seja a situação é importante que se mantenha calmo e confiante, particularmente quando está na presença de vítimas, pois esta atitude dar-lhes-á tranquilidade.

Diagnosticar

Diagnosticar

  • Verifique primeiro as vítimas que se encontram imóveis; estas são, normalmente, as que estão em pior estado e requerem atenção mais urgente.
  • História – pergunte aos espectadores ou à vítima, se consciente, como aconteceu o acidente.
  • Sinais e sintomas – se a vítima está consciente, peça-lhe para descrever os seus sintomas. Procure sinais de lesões, como hemorragias ou queimaduras.

Transporte do sinistrado

Quando se move uma vítima, a sua segurança e o seu bem-estar devem ser a primeira consideração. Nunca mobilize uma vítima com suspeita de lesões graves, a não ser que esta esteja em perigo de vida imediato; espere pela chegada de ajuda profissional. Se tiver que mover a vítima, antes de começar, apoie as articulações que ficam acima e abaixo de qualquer suspeita de fratura ou de qualquer outra lesão grave.

Princípios do levantamento

Se respeitar, cuidadosamente, as linhas de orientação seguintes, verá que será capaz de levantar objetos relativamente pesados sem esforço desnecessário. No entanto, se existirem pessoas para ajudar, nunca tente mover uma vítima sozinho. Não tente levantar objetos ou pessoas que sejam mais pesados do que você.

  • Afaste ligeiramente os seus pés para obter uma postura estável e equilibrada.
  • Mantenha as costas direitas e dobre os joelhos.
  • Use os músculos das coxas, da bacia e dos ombros para suportarem a maior parte do peso.
  • Mantenha o peso da vítima, tanto quanto possível, próximo do seu corpo.

ARRASTAR UMA VITIMA PARA LOCAL SEGURO

Se o perigo tornar necessário o deslocamento de uma pessoa, o arrastamento constitui um método rápido para transportar uma vítima inconsciente para um lugar seguro ou para mover uma vítima consciente que não é capaz de andar. No entanto, evite este método se suspeitar que a vítima tem lesões na cabeça ou no pescoço.

Aproxime-se a vítima por trás e dobre-lhe um dos braços sobre o peito (utilize um braço não lesado). Passe os seus braços por baixo das axilas da vítima e agarre-a pelos antebraços. Se possível, peça a um espectador para estabilizar a cabeça da vítima e para a manter alinhada com o tronco enquanto você faz o arrastamento.

Acidentes com motas e bicicletas

  • Não mova nenhuma vítima, a não ser que se encontre em perigo imediato.
  • Não remova os capacetes; deixe esse trabalho para os serviços de emergência. No entanto, se precisar de realizar ventilação artificial, liberte ou corte as correias e, com um ajudante, mantendo a cabeça e o pescoço apoiados e alinhados com a coluna, desloque cuidadosamente o capacete na direção do topo da cabeça.
  • Mantenha a vítima, na medida do possível, quente e confortável.

Lidar com uma vítima em colapso

CONSCIÊNCIA

Verifique as respostas da vítima para saber se esta está consciente ou inconsciente. Com cuidado, abane-a pelos ombros, chame-a pelo nome, se o souber, e belisque-lhe a pele.

VIAS AÉREAS

Assegure-se de que as vias aéreas da vítima estão patentes, de modo a permitir um fluxo aéreo para os pulmões livre de obstáculos.

CIRCULAÇÃO

Verifique os sinais da circulação, por exemplo, a presença de pulso.

VENTILAÇÃO

Verifique a ventilação pelo menos durante dez segundos. Se necessário, realize a ventilação artificial para insuflar oxigénio nos pulmões da vítima.

PULSO

Verifique o pulso, pelo menos durante dez segundos, pressionando ligeiramente a artéria carótida no pescoço. Se necessário, faça a RCP para bombear sangue para todo o corpo.

PROBLEMAS DA VENTILAÇÃO

Quando o oxigénio é insuficiente para as necessidades do organismo desenvolve-se uma condição designada por hipoxia, a qual pode originar inconsciência e morte. A hipoxia pode ser causada por:

  • Conteúdo inadequado de oxigénio no ar, por exemplo, num espaço fechado e cheio de fumo;
  • Obstrução das vias aéreas causada, por exemplo, por engasgamento;
  • Paralisia ou interferência com os músculos do tórax, por exemplo, após um desabamento de terra ou após electrocussão.

Acidentes graves

É fundamental que não se torne uma vítima enquanto presta auxílio a um sinistrado. Alguns incidentes são particularmente perigosos, por exemplo, a vítima pode estar ainda em contacto com uma fonte elétrica, pode estar próxima de um incêndio ou o acidente pode incluir um veículo de transporte de químicos perigosos. Nestas situações siga os conselhos mencionados abaixo.

  • LESÕES CAUSADAS POR ELECTRICIDADE

Se a vítima estiver em contacto com a eletricidade, corte a corrente, de preferência no quadro, ou removendo a ficha da tomada. Se isto não for possível, afaste o membro da vítima que está em contacto com corrente elétrica: coloque-se sobre uma superfície seca, como madeira, jornal dobrado ou borracha, e, com cuidado, afaste o membro da vítima usando material similar.

NÃO preste primeiros socorros sem que o contacto tenha sido interrompido.
NÃO toque em nada húmido porque a água conduz a eletricidade.

IMPORTANTE

A eletricidade de alta-voltagem, por exemplo, dos cabos de alta-tensão, é extremamente poderosa. Se uma vítima estiver em contacto ou perto destes cabos, não se aproxime dela até ter sido avisado oficialmente que a corrente foi desligada e que a área está em segurança. Mantenha-se afastado pelo menos 18 metros; chame a polícia.

  • FOGO

Se for confrontado com um incêndio em casa ou na rua, atue com rapidez e precisão. Chame os serviços de emergência, dando-lhes o máximo de informação possível. Se for apanhado num quarto, feche a porta, abra a janela e tente sair o mais rapidamente possível; suspenda-se pelos braços, descendo no sentido dos pés, os quais devem tocar o solo em primeiro lugar. Se uma pessoa estiver em chamas, realize o procedimento Parar, Derrubar, Envolver, Rolar.

NÃO entre num edifício ou numa divisão cheia de fumo: existe o perigo de você se intoxicar com o fumo ou de ficar gravemente queimado. Se tiver de passar por uma divisão a arder, mantenha-se junto ao solo, onde o ar é menos saturado.
NÃO tente apagar um incêndio de grandes proporções. Se tiver alguma dúvida sobre a sua segurança, chame os serviços de emergência, espere pela sua chegada e não se coloque em risco.

  • DERRAMES QUÍMICOS

Os acidentes podem complicar-se pelo derrame de substâncias perigosas. Os veículos que transportam substâncias químicas perigosas têm painéis que indicam o que transportam, as suas propriedades, um número especial de código e um número telefónico. Informe todos estes detalhes aos serviços de emergência.
NÃO tente um salvamento, a não ser que tenha a certeza que não entrará em contacto com a substância.
NAO se aproxime de um veículo que transporta químicos tóxicos; se estiverem visíveis, anote os detalhes no painel de identificação e transmita-os aos serviços de emergência.

Lidar com fluidos corporais

Alguns vírus, como o vírus da imunodeficiência humana (VIH) e O vírus da hepatite B, são transmitidos através do contacto sanguíneo, por exemplo, se o sangue de uma pessoa infetada contactar com o de outra pessoa através de uma ferida aberta. Ao tratar uma vítima, lide sempre com os fluidos corporais da forma mais higiénica possível, de modo a reduzir ao mínimo o risco de infeção cruzada.

COMO EVITAR INFEÇÕES CRUZADAS

Existem várias medidas a tomar quando se lida com fluidos corporais. Siga as linhas de orientação descritas abaixo, de modo a minimizar o risco de infeção, quando estiver a tratar uma vítima que está a sangrar ou quando estiver a descartar-se de material já usado.

LAVE AS MÃOS
Sempre que possível, lave bem as mãos antes e depois de tratar uma vítima. Certifique-se de que lavou as faces palmar e dorsal de ambas as mãos.

USE LUVAS
Se disponíveis, use luvas descartáveis sempre quer lida com sangue, com pensos ou com qualquer outra matéria potencialmente infetante. Alternativamente, cubra as mãos com sacos de plástico limpos.

Pedir ajuda

Ao longo deste livro são dados conselhos sobre o tipo de ajuda a requisitar quando se tratam sinistrados. Existem quatro categorias:

1.ACONSELHE A VÍTIMA A CONSULTAR UM MÉDICO quando c aconselhado tratamento e acompanhamento;

2.CHAME UM MÉDICO quando são necessários conselhos sobre o tratamento;

3.LEVE OU ENVIE A VÍTIMA AO HOSPITAL quando é necessário tratamento hospitalar, mas você pode transportar a vítima;

4.CHAME UMA AMBULÂNCIA quando é necessário tratamento urgente e você não deve transportar a vítima.

CHAMAR UMA AMBULÂNCIA

Chamar uma ambulância através de um telefone normal ou de um telemóvel é grátis. Nas autoestradas existem postos de SOS, a intervalos regulares, que ligam automaticamente aos serviços de emergência. Para chamar uma ambulância siga as instruções seguintes:

  • Se possível, fique com a vítima e peça a alguém para fazer o telefonema; peça à pessoa para regressar e confirme que o telefonema foi feito.
  • Marque 112. Peça o serviço apropriado; a pessoa que atende pode contactar outros serviços.
  • Dê o número do telefone de onde está a realizar a chamada.
  • Dê a localização; referências; causa provável; número e idade aproximada das vítimas e gravidade das lesões.
  • Pouse o auscultador depois, e não antes, da pessoa que o atendeu o fazer.

Stress

Uma situação de emergência pode ser perturbadora, mesmo para um socorrista experiente. Esta é uma reação natural, particularmente quando se lida com uma vítima em estado grave. O acontecimento pode perturbar-nos mais tarde, por isso, é importante enfrentarmos os nossos sentimentos sobre o sucedido.

COMO REAGIMOS

Muitas pessoas preocupam-se com a forma como irão reagir perante uma situação de emergência; no entanto, a maioria reage bem. Perante uma emergência, o organismo tem um mecanismo designado «fuga ou luta» que, através da libertação de várias hormonas, nos permite enfrentar situações de stress. No entanto, a ansiedade em excesso pode prejudicar o desempenho; se se sentir incapaz de agir, respire calma e profundamente de modo a acalmar-se. Se esta medida não resultar, peça a outra pessoa para tomar conta da situação.

COMO NOS SENTIMOS

Dependendo do incidente e do resultado final podemos sentir várias emoções. Estas podem oscilar entre a satisfação pelo nosso desempenho e a raiva ou a confusão quando o resultado é duvidoso ou perturbador. Enfrentar esses sentimentos no momento pode ajudá-lo a ultrapassar o sucedido.

Acidentes com automóveis

  • Verifique a área circundante: podem existir vítimas projetadas dos automóveis ou podem ter-se afastado em estado de choque.
  • Procure indícios de perigo no veículo. Se não souber interpretar algum sinal, mantenha-se à distância, particularmente se existirem derrames na estrada.
  • Não tente remover nenhuma vítima presa num veículo, a não ser que esta se encontre em perigo imediato. Desligue a ignição e chame uma ambulância imediatamente.
  • Não fume, nem permita que nenhum espectador o faça perto de um veículo acidentado.

Lidar com as vítimas

Quando tiver a certeza de que há segurança no local do acidente tente localizar todas as vítimas; algumas podem ter sido projetadas a alguma distância ou podem ter-se deslocado para longe. Se houver mais do que uma vítima, verifique qual está em pior estado e assista-a primeiro. Tente, tanto quanto possível, manter os espectadores afastados da área, pelo menos até à chegada dos serviços de emergência.

Ouça

A vítima pode ser capaz de lhe dizer o que se passou e como se está a sentir.

Segurança

Tome o local do acidente o mais seguro possível. Num acidente rodoviário, coloque triângulos de sinalização a uma distância de 200 metros, em todos os sentidos. Estacione o seu veículo com os quatro piscas ligados, bloqueando o trânsito. Verifique se existem gás, fumo, químicos ou estruturas instáveis.

Perigo

Não se coloque em risco; não mova as vítimas, a menos que estas se encontrarem expostas a perigos suplementares. Se estiver inseguro, espere pelos serviços competentes.

Sinais e sintomas

Esteja atento e procure sinais e sintomas de uma possível lesão, por exemplo, um edema ou uma equimose ou um membro deformado. A vítima pode queixar-se de dor.